Tweets de @padre_sandro

Liturgia & Orações

 
 

Santa Teresinha

[1º de outubro, segunda-feira] DIA de SANTA TERESINHA - “Meu Deus, eu vos amo!” 6h Missa, seguida de Adoração ao Santíssimo e Novena das Rosas até as 15h / • 15h Bênção Santíssimo e Missa dos Devotos / • 19h30 Missa Solene e Procissão / leituras: Isaías 66,10-14c; Salmo 130 (Guardai-me em paz junto a vós ó Senhor!); 2 Coríntios 10,17-11,2; Mateus 18,1-5 / • Bênção das rosas

 

Ó Teresinha do Menino Jesus que no curto espaço de vossa existência, fostes um espelho de angelical pureza, de amor forte e do mais generoso abandono na divina providência, agora que estais gozando o prêmio de vossas virtudes, volvei um olhar de compaixão sobre nós que confiamos plenamente em vós. Fazei vossas nossas aflições; dizei por nós uma palavra a esta Virgem Imaculada de quem fostes à flor privilegiada a Rainha do Céu que vos sorriu na manhã da vida. Suplicai a ela, tão poderosa sobre o coração de Jesus, nos obter a graça que tanto desejamos neste momento, de acompanhá-la com uma bênção que nos alente durante a vida, nos fortifique na hora da morte, e nos conduza à bem aventurada eternidade. Assim seja. // Rogai por nós, Santa Teresinha. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

 

 

CAMPANHA

“Santuário: casa de Teresinha, casa de Deus, nossa casa!”

Querido paroquiano e devoto, contribua para as reformas do telhado, dos bancos e a finalização do Centro Catequético Santa Edith Stein. Informe-se no plantão durante as missas, na secretaria paroquial ou • e-mail secretaria@santuariosantateresinha.com • site www.santuariosantateresinha.com Juntos, somos e podemos muito mais! [Pe. Sandro]

 

 

SANTUÁRIO DIOCESANO SANTA TERESINHA DO MENINO JESUS E DA SAGRADA FACE Rua Claudemir Rodrigues, s/n JARDIM MARACANÃ, Presidente Prudente (SP) - (18) 3907-2253 www.santuariosantateresinha.com

 
 

santuário diocesano

 

NOVENA DE SANTA TERESINHA DO MENINO JESUS E DA SAGRADA FACE

Doutora da Igreja e Padroeira das Missões

 

«A VIDA COTIDIANA É UM CAMINHO SIMPLES DE SANTIFICAÇÃO»

22 a 30 de setembro de 2012 – missa diária às 19h30

www.santuariosantateresinha.com

Venha celebrar conosco a festa de nossa querida padroeira aqui no Santuário diocesano – “casa de Teresinha, casa de Deus, nossa casa!” Esperamos você!

* * *

 

Teresinha, uma infância “tranqüila e feliz” [22/9 sábado] 25º Domingo do Tempo Comum – Sb 2,12.17-20; Sl 53; Tg 3,16-4,3; Mc 9,30-37 / Bênção: imagens de Teresinha, quadros, terços etc

 

2º Teresinha cresce em estatura e em graça (conversão) [23/9 domingo] 25º Domingo do Tempo Comum – Sb 2,12.17-20; Sl 53; Tg 3,16-4,3; Mc 9,30-37 / Bênção: jovens e adolescentes

 

3º Teresinha deseja ajudar salvar almas [24/9 segunda-feira] 25ª Semana do Tempo Comum – Pr 3,27-34 Sl 14; Lc 8,16-18 / Bênção: crianças e gestantes

 

4º Teresinha vocacionada ao Carmelo [25/9 terça-feira] 25ª Semana do Tempo Comum – Pr 21,1-6.10,13; Sl 118; Lc 8,19-21 / Bênção: escapulários (trazer escapulários)

 

5º Teresinha, no Carmelo, sem ilusões [26/9 quarta-feira] 25ª Semana do Tempo Comum – Pr 30,5-9; Sl 118; Lc 9,1-6 / Bênção: terços e velas

 

6º Teresinha descobre sua vocação apostólica: rezar pelos sacerdotes [27/9 quinta-feira] Memória de S. Vicente de Paula – Ecl 1,2-11; Sl 89; Lc 9,7-9 / Bênção: bíblia, pão (alimentos)

 

7º Teresinha, para servir melhor, se faz última por lei e por vocação [28/9 sexta-feira] (NÃO HAVERÁ MISSA ÀS 15h) 25ª Semana do Tempo Comum – Ecl 3,1-11; Sl 143; Lc 9,18-22 / Bênção: água e sal (trazer água e sal)

 

8º Teresinha trilha o caminho do amor até a união [29/9 sábado] Festa dos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael – Dn 7,9-10.13-14; Sl 137; Jo 1,47-51 / Bênção: chaves, carteira de trabalho e habilitação

 

9º Teresinha: “não morro, entro na vida” [30/9 domingo] 26º Domingo do Tempo Comum – Nm 11,25-29; Sl 18; Tg 5,1-6; Mc 9,38-43.47-48 / Bênção: família

 

 

 

 
 

Jesus é libertador

 

Queridos, dias belos, mas cheios e levemente corridos. Entretanto, ainda há tempo de neste dia implorar a Santíssima Trindade sobre nós, nossa casa, trabalho e sobre todas as nossas ações. Em Nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Que a Graça e o Amor de Deus inunde e transborde a sua vida.

 

Estamos na 14ª Semana do Tempo Comum, hoje é terça-feira. As leituras da liturgia são as seguintes: • Oséias 8,4-7.11-13: Semeiam ventos, colherão tempestades. • Salmo 113B,3-10: Confia, Israel, no Senhor! • Mateus 9,32-38: Depois de curar um possesso e de constatar as ovelhas sem pastor, Jesus ensina a pedir ao Pai pela messe que é grande, mas com poucos trabalhadores.

 

Só Deus sabe o que levou aquele homem a ficar mudo. Jesus faz o que deve fazer em relação a este tipo de situação os homens que ele inspirou: conceder ao doente, a quem vive na solidão, afastado, o calor de uma ajuda humana e deixá-lo sentir desta maneira o que significa a presença salvadora de Deus.

 

Nós sabemos que há pessoas, instituições religiosas e mesmo os meios de comunicação que querem paralisar a obra de salvação de Deus realizada pela Igreja. É por isso que os discípulos precisavam saber como se defender daqueles que instalam as dúvidas na mente dos homens, quando querem buscar a Deus com coração sincero.

 

Mais do que nos preocupar com as críticas que possam vir de todos os lados, Jesus quer mesmo é que continuemos a nossa caminhada preocupando-nos com o sofrimento e as dores de todos os que encontramos pelo caminho e fazendo o bem a todos, olhando a todos com compaixão e dando-lhes porque são como ovelhas que não têm pastor.

 

Assim também devemos ser nós, não devemos viver preocupados com as calúnias que nos são dirigidas, mas sim preocupados em fazer o bem. Diante dos que desafiam a nossa fé e a existência do Senhor, professemos como o povo de Israel que o “nosso Deus é invisível, mas age no mundo e na história. Se ele quiser, vai nos libertar.” E ainda mais, digamos: Ele quer. Ele nos enviou o seu único Filho por amor para salvar. Bendito seja o Senhor, meu rochedo! Eu confio nele e nada temo!

 

Libertai-nos, Senhor de toda mudez. A nossa língua prorrompa em cânticos de alegria e reconhecimento pela vossa ação no mundo. Amém!

 

Seja boa a sua tarde e abençoada a sua vida.

Pax!!!

 
 

uma prece ao Senhor da Vida

"Ele tomou as nossas dores e carregou as nossas enfermidades." (Mateus 8,17)

 

Jesus passou pelo mundo fazendo o bem e curando a muitos. Ele estabeleceu critério, digamos assim, para restabelecer a vida das pessoas: a fé, a prece, a disposição de iniciar um novo processo de vida.

 

Hoje, imploro ao Senhor que Ele me olhe com compaixão e me confirme na missão. Que a minha fé (pequena, muito pequena, às vezes, infantil, muitas vezes ignorante) seja fortalecida e por meio dela muitas obras Deus realize no mundo.

 

"Ele tomou as nossas dores e carregou as nossas enfermidades." (Mateus 8,17)

 

Que a Palavra de Deus me revele a mim mesmo e me oriente os passos em direção a Deus, a mim e ao outro (todos e quaisquer outros). Ela - doce e amarga, penetrante e cortante, atual, viva e eficaz, luz para o pés e o caminho - formate o meu coração e oriente os desejos.

 

Semelhante ao profeta Isaías, lembrado por Mateus, eu afirmo que "Ele tomou as nossas dores e carregou as nossas enfermidades." (Mateus 8,17), também professo a minha fé no poder salvador de Jesus, médico da minha vida/ minha alma.

 

Senhor, basta uma palavra! Não sou digno de que entres em minha casa. A tua Graça não tem fronteiras nem limites. O teu amor não olha para aparências e senões...

 

"Ele tomou as nossas dores e carregou as nossas enfermidades." (Mateus 8,17)

 

Louvado sejas, Senhor!!!

 
 

Santíssima Trindade





Liturgia
SOLENIDADE DA SANTÍSSIMA TRINDADE

Leituras: Deuteronômio 4,32-34.39-40; Salmo 32; Romanos 8,14-17; Mateus 28,16-20.

« PAI, FILHO, ESPIRITO SANTO – DEUS UNO E ÚNICO »

 

• Celebramos o mistério mais elevado de nossa fé, a fonte de tudo e à qual tudo deve retornar: a Trindade. Entretanto, esta solenidade não é um convite a decifrar o mistério que se esconde por detrás de “um Deus em três pessoas”; mas é um convite a contemplar o Deus que é amor, que é família, que é comunidade e que criou os homens para fazê-los comungar nesse mistério de amor.

 

• A 1ª leitura apresenta o Deus da Aliança. Deus é o Pai que com sabedoria criou e dirige o universo. Na 2ª Leitura, Paulo ressalta que, graças ao dom do Espírito através de Cristo somos filhos de Deus e, por isso, podemos chamar Deus de “Abba”, “Pai”. No evangelho, Jesus envia os discípulos em missão para pregar o evangelho e batizar em nome da Trindade.

 

• Podemos fazer dois exercícios espirituais: a profissão trinitária. Isto é, repetir pausadamente «em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo» e dizê-lo pensando nossa relação particular com cada uma das pessoas divinas. Depois, ode ser útil repetir o final do texto do evangelho, a frase tão confiante e firme de Jesus para nós: «eu sempre estarei com vocês, todos os dias, até o fim dos tempos».

 

• Oração: Ó Deus, nosso Pai, enviando ao mundo a Palavra da verdade e o Espírito santificador, revelastes o vosso inefável mistério. Fazei que, professando a verdadeira fé, reconheçamos a glória da Trindade e adoremos a Unidade onipotente. Amém!

 
 

«Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida.» (João 14,6a)



Queridos, quanta alegria trazer no coração a certeza apresentada por Jesus no evangelho: «Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida.» (João 14,6a). Ele que se apresenta como Bom Pastor, fonte inesgotável de vida para o rebanho e para quem nele crê também afirma que «Ninguém vai ao Pai senão por mim» (João 14,6b).

 

Há uma comunhão íntima na Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. Quando se rejeita a Igreja ou a Palavra está se rejeitando ao próprio Deus. Quando se acolhe um apóstolo-missionário-evangelizador se está acolhendo ao próprio Deus. A comunhão da Trindade deve inspirar-nos na busca da comunhão entre os irmãos. A Igreja formada por diversos povos, línguas etc é chamada a manter-se unidade na única fé no Senhor Jesus que se encarnou, por nós morreu e conforme as escrituras para a nossa salvação ressuscitou.

 

Onde está Deus? Como reconhecê-lo no mundo? As respostas surgem da comunhão nossa entre nós e da nossa comunhão com o Senhor. No evangelho deste dia Jesus respondendo ao pedido de Filipe o interroga (e a nós também): «Há tanto tempo estou convosco, e não me conheces, Filipe?» (João 14,9). Pois é, há quanto tempo o Senhor é conosco e por nós?! E ainda não o reconhecemos!

 

Senhor, fortalecei-nos na unidade convosco e entre nós. Dai-nos testemunhar com alegria a vossa ressurreição e reconhecer-vos presente no meio de nós. Amém!

 

Seja bom o seu dia e abençoada a sua vida!

Pax!!!

 
 

mensagem

Queridos,

 

iniciemos o novo dia em Nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém!

 

Despertar é de algum modo experimentar a ressurreição, assim como dormir é experimentar a 'morte'. Sair dos maus caminhos, abandonar o mundo das trevas... é sinal de ressurreição, de vida nova.

 

Após o encontro com o ressuscitado, Tomé exclamou “Meu Senhor e Meu Deus!”. Com a boca e com a vida professemos também nós que “vimos o Senhor” e o reconhecemos nosso Senhor e nosso Deus.

 

Alegremo-nos porque de fato Jesus ressuscitou e está no meio de nós. A sua vitória e a certeza da nossa vitória. A sua ressurreição é a certeza da nossa ressurreição. Nascidos em Cristo; vivendo com Cristo, em Cristo e por Cristo; morrendo com Cristo, cremos, com Cristo ressurgiremos para a vida nova.

 

O apóstolo João em sua primeira carta afirma que “a vitória que vence o mundo é a nossa fé”. Adiramos a Jesus e ao seu projeto. Deixemo-nos conduzir pelo seu Amor. Permitamos-Lhe modificar em nós o que não está bom. Esforcemo-nos para buscar e alcançar as “coisas do alto”. Lá onde a nossa vida está escondida com Cristo em Deus.

 

Recitemos “Dai graças ao Senhor porque Ele é bom. Eterna é a sua misericórdia” e “Jesus eu confio em vós” durante o dia. A palavra repetida vai-se tornando parte do nosso ser e aos poucos, transformada em oração, nos transforma naquilo que Deus quer.

 

Seja bom o seu dia e abençoada a sua vida.

Pax!!!

 
 

2º domingo da quaresma

Leituras: Gênesis 22,1-2.9a.10-13.15-18; Salmo 115; Romanos 8,31b-34; Marcos 9,2-10

UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL

I.- A liturgia apresenta o evangelho da Transfiguração de Jesus diante de três apóstolos. Uma mensagem de esperança e de ânimo frente a iminência da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. Tal como os apóstolos também nós podemos não compreender tal mensagem ou deixá-la como mera recordação do passado. Precisamos nos lembrar de que há luz no final do túnel. Há vida após a morte. Há vitória depois da aparente derrota na caminhada da fé. Subir com Jesus ao monte é ter o coração preenchido da vida plena que não se encerra no cemitério. Outra mensagem deste domingo é que tal como todo pecado desfigura o ser humano, todo perdão o transfigura. Transfigurados em Jesus para transfigurar o mundo ainda desfigurado com tantas cenas de morte, violência e zombaria contra a fé. Descer o Monte para enfrentar a vida será tarefa diária para quem se alimenta da eucaristia, da oração e da Sagrada Palavra do Senhor. Quem acredita não pode ser indiferente ao que se passa em derredor.

II.- A 1ª leitura apresenta Abraão como modelo ideal do homem de fé. Ele vive numa constante escuta da Palavra de Deus, aceita os apelos de Deus, e lhe responde com obediência total, mesmo oferecendo o filho Isaac. Abraão ensina a confiar em Deus, mesmo quando tudo parece cair à nossa volta, e quando os caminhos do Senhor se revelam estranhos e incompreensíveis.

III.- Na 2ª leitura, Paulo exalta o Amor de Deus, manifestado na morte e ressurreição de seu Filho Jesus Cristo.

IV.- O Evangelho fala da fé dos Apóstolos. Após o anúncio da sua Paixão, Cristo tomou três apóstolos (desiludidos diante da proximidade da morte do Mestre), subiu o Monte Tabor e “transfigurou-se”. O mundo se transforma quando acolhemos a voz do Pai.

V.- Ó Deus, que nos mandastes ouvir o vosso Filho amado, alimentai nosso espírito com a vossa palavra, para que, purificado o olhar de nossa fé, nos alegremos com a visão da vossa glória.

 
 

1º DOMINGO DO TEMPO DA QUARESMA

Leituras: Gênesis 9, 8-15; Salmo 24,4-9; 1 Pedro 3,18-22; Marcos 1,12-15

Dilúvio, deserto, batismo e tentações

I.-. Destruir aquele velho mundo de egoísmo e de pecados. Dar um mundo novo de vida plena e felicidade. Eis os desejos de Deus para nós, humanidade, seus filhos. Embrenhamo-nos na quaresma para caminhando com Jesus e movidos pela força do divino Espírito enfrentar as tentações da vida e a cruz no horizonte do caminho. Sabendo-nos fortalecidos pelo Senhor não temeremos o mal, a dor e a morte. No final, há ressurreição. Agora é tempo de travessia, treinamento, luta, discernimento, discipulado... conversão.

II.- A 1ª leitura é parte da história do dilúvio. Deus, depois de eliminar o pecado que escraviza o homem e que corrompe o mundo, depõe o seu arco de guerra, vem ao encontro do homem, faz com ele uma Aliança incondicional de paz. A ação de Deus destina-se a fazer nascer uma nova humanidade que percorra os caminhos do amor, da justiça, da vida verdadeira.

III.- Na 2ª leitura, o autor da primeira Carta de Pedro recorda que, pelo Batismo, os cristãos aderiram a Cristo e à salvação que Ele veio oferecer. Comprometeram-se, portanto, a seguir Jesus no caminho do amor, do serviço, do dom da vida; e, envolvidos nesse dinamismo de vida e de salvação que brota de Jesus, tornaram-se o princípio de uma nova humanidade.

IV.- No Evangelho, Jesus mostra-nos como a renúncia a caminhos de egoísmo e de pecado e a aceitação dos projetos de Deus está na origem do nascimento desse mundo novo que Deus quer oferecer a todos os homens (o “Reino de Deus”). Aos seus discípulos Jesus pede – para que possam fazer parte da comunidade do Reino – a conversão e a adesão à Boa Nova que Ele próprio veio propor.

V.- Concedei-nos, ó Deus onipotente, que, ao longo desta Quaresma, possamos progredir no conhecimento de Jesus Cristo e corresponder a seu amor por uma vida santa.

 

AGENDA DIOCESANA

Alguns pensamentos:

“Numa altura em que a cultura contemporânea parece ter esquecido a distinção entre o bem e o mal, é preciso reafirmar com força que o bem existe e é vencedor” (Papa Bento XVI);

Nesta Quaresma, somos convidados a fazer esta experiência de um Deus que nos ama apesar das nossas infidelidades; e somos convidados, também, a deixar que o amor de Deus nos transforme e nos faça renascer para a vida nova.

• ouça a Rádio Onda Viva - AM 1300 khz, sempre uma boa palavra! Emissora da diocese de Presidente Prudente [www.ondaviva.com.br]; Outras Informações no portal www.diocesepresidenteprudente.com.br ou na Cúria Diocesana: pelo (18) 3918-5000.

 
 

quaresma

 

TEMPO DA QUARESMA

 

Eis que surge novo tempo no Ano Litúrgico. Com forte apelo à conversão, viveremos pouco mais de quarenta dias quaresmais. A igreja se reveste de roxo em sinal de penitência e anuncia desde a quarta-feira de cinzas que viemos do pó e ao pó voltaremos e nesta constatação reside o apelo de Jesus em todo tempo “convertei-vos e crede no evangelho”. Seguiremos Jesus em seu caminho a Paixão e Ressurreição, até o seu caminho redentor.

A quaresma inicia com a celebração das cinzas na quarta-feira, 22, um dia de JEJUM e ABSTINÊNCIA e vai até a Missa da Ceia do Senhor, exclusive. É o tempo para preparar a celebração da Páscoa. “Tanto na liturgia quanto na catequese litúrgica esclareça-se melhor a dupla índole do tempo quaresmal que, principalmente pela lembrança ou preparação do Batismo e pela penitência, fazendo os fieis ouvirem com mais freqüência a palavra de Deus e entregarem-se à oração, os dispõe à celebração do mistério pascal” (Sacrosanctum Concilium, nº 109).

 
 

tempo quaresmal

 

ANOTAÇÕES LITÚRGICAS

• durante este tempo é proibido ornar o altar com flores; o toque de instrumentos musicais só é permitido para sustentar o canto. Excetuam-se o Domingo Laetare (4º Domingo da Quaresma), bem como as solenidades e festas.

• a cor deste tempo é roxa. No Domingo Laetare, pode-se usar cor-de-rosa (Instrução Geral ao Missal Romano, nº 308f).

• em todas as missas e ofícios (onde se encontrar), omite-se o Aleluia.

• nas solenidades e festas somente, como ainda em celebrações especiais, diz-se o Te Deum e o Glória.

• as memórias obrigatórias que ocorrem neste tempo podem ser celebradas como memórias facultativas. Não são permitidas missas votivas.

• na celebração do matrimônio, seja dentro ou fora da missa, deve-se sempre dar a bênção nupcial; mas admoestem-se os esposos que se abstenham de demasiada pompa.

 
 

leis do jejum e da abstinência

 

JEJUM E ABSTINÊNCIA

(O que segue abaixo são das Anotações Gerais, no Diretório Litúrgico 2012, nº 3.5, p. 20).

 

“Estão obrigados à lei da abstinência aqueles que tiverem completado catorze anos de idade; estão obrigados à lei do Jejum todos os maiores de idade (quem completou 18 anos) até os sessenta anos começados. Todavia, os pastores de almas e pais cuidem para que sejam formados para o genuíno sentido da penitência também os que não estão obrigados à lei do jejum e da abstinência, em razão da pouca idade (cf. Cânon 1252).

 

“No Brasil, toda sexta-feira do ano é dia de penitência, a não ser que coincida com solenidade do calendário litúrgico. Os fieis nesse dia se abstenham de carne ou outro alimento, ou pratiquem alguma forma de penitência, principalmente obra de caridade ou exercício de piedade.

 

A Quarta-feira de Cinzas e a Sexta-feira Santa, memória da Paixão e Morte de Cristo, são dias de jejum e abstinência. A abstinência pode ser substituída pelos próprios fieis por outra prática de penitência, caridade ou piedade, particularmente pela participação nesses dias na Sagrada Liturgia” (cf. Legislação complementar da CNBB quanto aos cânones 1251 e 1253 do Código de Direito Canônico).

 

 
 

notas 4ªf de cinzas

NOTAS PARA A QUARTA-FEIRA DE CINZAS

• dia de jejum e abstinência.

• na missa, depois do evangelho e da homilia, se benzem e impõem as cinzas feitas de ramos de oliveira ou outras árvores, bentos no Domingo de Ramos do ano anterior. O ato penitencial se omite.

• a bênção e imposição das cinzas também podem ser feitas sem missa; neste caso, oportunamente, precede uma Liturgia da Palavra, aproveitando o canto de entrada, a coleta (oração) e as leituras da missa com seus cantos; depois da homilia, são bentas as cinzas e impostas, e o rito termina com a oração dos fieis.

(Diretório Litúrgico da Igreja no Brasil, 2012)

 
 

4ª de Cinzas


LITURGIA DA QUARTA-FEIRA DE CINZAS

Primeira leitura: Joel 2,12-18 Rasgai o vosso coração e não as vossas vestes.

Responsório: Salmo 50,3-6.12-14.17 Misericórdia, ó Senhor, pois pecamos.

Segunda leitura: 2 Coríntios 5,20-6,2 Reconciliai-vos com Deus. É agora o tempo favorável.

Evangelho: Mateus 6,1-6, 16-18 E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa. (A esmola, a oração e o jejum)

 

 

••• Informe-se na secretaria da paróquia mais próxima da sua casa e participe. Iniciemos o itinerário da nossa conversão.

 
 

tempo quaresmal chegando


Queridos e queridas,

estamos nas Primeiras Vésperas da Quarta-feira de Cinzas. O Ano Litúrgico assume nova cor, novo tom, o espírito se contrai, o coração se abre para que a Graça realize a necessária obra da conversão. Mergulhemos no mistério da Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Para meditar ( Leitura breve ) Romanos 12,9-12

O amor seja sincero. Detestai o mal, apegai-vos ao bem. Que o amor fraterno vos una uns aos outros com terna afeição, prevenindo-vos com atenções recíprocas. Sede zelosos e diligentes, fervorosos de espírito, servindo sempre ao Senhor, alegres por causa da esperança, fortes nas tribulações, perseverantes na oração.

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, PRESIDENTE PRUDENTE, Piquerobi, Homem, de 26 a 35 anose-mail - sandrogerio@bol.com.br

 
Visitante número:



  Free counter and web stats
UOL